quarta-feira, 2 de abril de 2014


quinta-feira, 20 de março de 2014

Galldino - Tempo - Clipe Oficial


"No íntimo das nossas limitações há uma multidão de virtudes pronta pra despertar vasta e capaz!". Esse é o mote do novo clipe de Galldino, com lançamento oficial para o dia 21 de março, dia internacional da síndrome de down.

O violinista Galldino, (O Baile de Máscaras) lança o clipe da música‪#‎Tempo‬ nesta sexta, 21 de março - dia internacional da síndrome de down. O compositor traz no vídeo pessoas que enfrentam e superam suas limitações ao se descobrirem possuidoras de outras virtudes. 

Enquanto crianças e adultos usam um gesto de LIBRAS que diz "eu consigo", o refrão da canção nos propõe despertar para uma vida “vasta e capaz".






quarta-feira, 19 de março de 2014

Criadores do tempo

Aprendi durante a vida
Que não existe esta história
De dar tempo ao tempo

O tempo presente e futuro
Somos nós quem criamos
E o tempo presente, que nos trará o futuro
É agora!

Por que esperar o tempo dizer
Quando seremos felizes
Se a nossa felicidade está ao lado
Só esperando ser chamada?

Por que dar tempo ao tempo
Se nosso tempo está aqui
Dentro de nós
Pronto para florir

Sê a tua consciência
Sê a tua certeza
Sê o seu tempo
Seja o tempo todo
E faça o tempo todo!

De tempo ao tempo de amar
De tempo ao tempo de ser feliz
De tempo ao tempo
Dentro do seu próprio tempo

Faça o seu tempo
E seja feliz!


Rafael Gmeiner  -  19/03/2014  -  19h05

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Seu nome (Ana Marta)

Ana Marta, seu nome
Ana Marta, meu desejo
Seu nome, minha inspiração
Minha vida inteira

Recriei seu nome, minha vida
Recriei-me ao seu amor
E ao seu poder de amar

Propus a fidelidade
Propus aquele respeito
Te propus a felicidade

Ana Marta, nome composto
Composto à mim
Que compõe a minha vida
Que compõe a minha felicidade

Ana Marta, meu nome
Meu nome preferido
Que recrio ao meu bel prazer
Aninha, Amor, Minha vida


Rafael Gmeiner  -  14h19  -  28/01/2014

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Meu jeito

Meu jeito exagerado
De me preocupar
Mas é meu jeito
E é pra você


Meu jeito insano
De mostrar e dizer que te amo
Mas é meu jeito
E é pra você

Meu jeito desajeitado
De falar as coisas
Mas é meu jeito
E é pra você (com muito amor e carinho)

Meu jeito é meu jeito
Mesmo que seja estranho
Mas foi por isso e desse jeito
Que você se apaixonou


Rafael Gmeiner  -  3h  -  27/01/2014

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Um copo quebrado

Um amor não se destrói, se RECONSTRÓI
Sempre vejo a analogia do copo quebrado
Para aquele rompimento de confiança
No qual dizem que o copo jamais será o mesmo
Por não conseguirmos juntar todos os pedaços

Digo que isso é opinião de comodismo puro

E por que, uma confiança quebrada,
Não pode ter analogia à um ferro quebrado?
Ou à uma guitarra quebrada?
Ou à um carro quebrado?

Todos estes, ao serem arrumados,
Funcionam em perfeito estado
E sabem por que isso acontece?
Por que detectamos o problema
E arrumamos

Me digam, por que a analogia não pode ser esta?
Quem é tão mais sábio que outro para dizer
Que a analogia do copo é verdadeira 
E deve ser a única?
Puro comodismo

Mas eu não me apego à analogia
Eu me apego ao meu coração
Aos meus sentimentos
Me apego ao meu verdadeiro amor

E meu amor, guiado por minha razão,
Jamais foi destruído, e jamais será
Meu amor apenas se fortalece
E é este amor que me faz feliz
Que me consome de energia 

Errar é achar que coisas do passado
São suficientes para não se amar mais
Engana-se quem pensa assim
Alias, não ama e não sabe amar quem pensa assim

Amor é algo de dentro que ninguém tira de você
E sendo usado com a razão
Faz um bem danado

Rafael Gmeiner   -   20h10   -   15/01/2014

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

O acerto das horas

Um amor assim não se apaga...se apega
Quanto mais o tempo passa
Mais amor, mais carinho e mais respeito

Erroneamente causamos discórdia
Submetemos à tristeza
Por não ser quem deveríamos ser
Por não fazer o que deveríamos fazer

Mas o sábio tempo, e sua dor
Corrigem o inconcebível
Ajustam as horas
Pelos ponteiros que estavam errados

A intolerância, a vaidade e orgulho do outro
Tornam-se convicção e força
E criam laços inquebráveis e insubstituíveis
Com fé e determinação

Buscamo-nos de outra maneira
Reencontramo-nos à deriva na solidão
Na falta de um pedaço em nós
E pelo amor, também pela dor

A correção das horas
Nos trouxe ao tempo certo
Ao tempo de dar certo
E fazer tudo certo

Sem bastar, o sábio tempo passado
Que mostrou para mim
Que o tempo futuro
Dita outras horas futuras

Não há recomeço
O recomeço é repetir todo o passado
Mas há um novo começo
No qual fazemos o futuro ensinado pelo passado

Ensinamento sem cópias
Sem criar modismos e comodismo
Ensinamento de que algo diferente deve acontecer

E neste acontecer, sempre me aconteceu você
Na cabeça, nos olhos e no coração
Meu amor sem limites
Minha busca constante em ser alguém ideal

Ou ao menos ser alguém melhor para mim

E pra você
Por hora ou, oras bolas,
Por que não por toda vida

Meu infindável amor ruge
Com força e com compaixão
E sem pestanejar
Minha convicção continua a mesma (mas em outras bases)

És meu amor verdadeiro
A peça chave do meu coração
Uma outra parte de mim, outra parte de nós (sic)
És minha vida inteira

Rafael Gmeiner - 11h03 - 22/12/2013